A sarcopenia, por estar relacionada a elevados índices de mortalidade em pessoas idosas e de elevação do risco de quedas e fraturas, acaba por afetar a qualidade de vida da pessoa idosa.

 

Em 1988, Rosenberg propôs o termo “sarcopenia” [do grego sarx (carne) e penia (penúria)]. A Sarcopenia é caracterizada por perda progressiva e generalizada de força e de massa muscular (European Working Group on Sarcopenia in Older People EWGSOP-2, 2018).

Considerada como um grave problema, por estar relacionada a elevados índices de mortalidade em pessoas idosas e de elevação do risco de quedas e fraturas, acaba por afetar a qualidade de vida da pessoa idosa. Sua presença pode resultar em fragilidade, incapacidade e associação com várias doenças como a osteoporose, doença cardíaca, doença respiratória e transtornos cognitivos.  

A redução de força muscular começa, do ponto de vista fisiológico, ou seja, um processo normal e que caracteriza o envelhecer da espécie humana, entre os 30 ou 40 anos, diminuindo 1,5% ao ano a partir dos 60 anos e 3% nos anos seguintes. Como resultado, nos idosos, a força muscular pode ter um decréscimo de 20-50%. Segundo a Sociedade Brasileira de Geriatria e Gerontologia (SBGG), cerca de 15% dos brasileiros têm sarcopenia a partir dos 60 anos de idade, chegando a 46% após os 80 anos. 

Por mais que a sarcopenia seja associada ao envelhecimento, seu desenvolvimento pode começar mais cedo na vida, e acredita-se que muitos fatores estejam implicados. Desta forma, os autores destacam que pode existir uma sarcopenia primária, desencadeada pelo próprio processo fisiológico de envelhecer, e uma secundária, relacionada a presença de determinados fatores chamados de risco.

Destes, o principal é o sedentarismo. A diminuição da força e do número de fibras musculares é mais evidenciado em pessoas com estilo de vida sedentário em comparação com pessoas que são fisicamente mais ativas. O sedentarismo pode ser consequência do estilo de vida da pessoa, mas também pode encontrar-se relacionado a situações de repouso prolongado como, por exemplo, grande período que uma pessoa permaneça acamada. A nutrição também desempenha importante papel, com destaque para o uso de medicamentos que podem interferir na absorção de nutrientes essenciais para a formação de proteínas, por exemplo, ou a presença de desnutrição.

Outras teorias que tentem explicar a sarcopenia destacam a importância das fibras nervosas e da genética, além do próprio ambiente social. Este último, quando associado a fatores de desgaste relacionados a um mau envelhecer, podem desencadear ou potencializar o desencadeamento de sarcopenia.

Algumas doenças, quando presentes, podem, por sua própria ação, estarem associadas ao aparecimento de sarcopenia, tais como insuficiência renal crônica, doença pulmonar obstrutiva crônica, câncer, infecções e insuficiência cardíaca congestiva.

A perda de massa e força muscular é diversa entre os indivíduos, tanto por questões biopsicossociais associadas à saúde e a um bom envelhecer, mas, também, por influência do nível de atividade física de cada pessoa.

Mas a sarcopenia é passível de prevenção. A prática de exercícios físicos, principalmente de resistência, e a melhora da ingesta calórica e de proteína são fundamentais, tanto para a prevenção quanto para o tratamento.

Referências

ALVES, R. V.; MOTA, J.; COSTA, M. C. e Colaboradores. Aptidão física relacionada à saúde de idosos: influência da hidroginástica. Revista Brasileira de Medicina do Esporte. São Paulo. v. 10, n. 1, jan./fev. 2004. p. 31-37 

BANDEIRA, F. Protocolos Clínicos em Endocrinologia e Diabetes. [Digite o Local da Editora]: Grupo GEN, 2019. 9788527735452. Disponível em: https://integrada.minhabiblioteca.com.br/#/books/9788527735452/. Acesso em: 17 Sep. 2020 

CRUZ-JENTOFT, A. J. ; BAHAT, G. et al. Sarcopenia: revised European consensus on definition and diagnosis. Age and Ageing, 2018, 39(4), 412–423. https://doi.org/10.1093/ageing/afy169

DHILLON, Robinder J.s.; HASNI, Sarfaraz. Pathogenesis and Management of Sarcopenia. Clinics in Geriatric Medicine, [S.L.], v. 33, n. 1, p. 17-26, fev. 2017. Elsevier BV. http://dx.doi.org/10.1016/j.cger.2016.08.002

YAKABE, Mitsutaka; HOSOI, Tatsuya; AKISHITA, Masahiro; OGAWA, Sumito. Updated concept of sarcopenia based on muscle–bone relationship. Journal of Bone and Mineral Metabolism, [S.L.], v. 38, n. 1, p. 7-13, 3 out. 2019. Springer Science and Business Media LLC. http://dx.doi.org/10.1007/s00774-019-01048-2

Créditos

Data: 09/10/2020

Link da matéria https://www.portaldoenvelhecimento.com.br/sarcopenia-o-que-e-e-como-preveni-la/

Profa. Maria Elisa Gonzalez Manso, docente do curso de Medicina, com o apoio da Equipe de Estagiários da Extensão São Camilo.
Parceria com o programa de extensão saúde do idoso do Centro Universitário São Camilo.

 

Tenho
interesse!

Entre em contato

0300 017 8585 ou 11 3465-2664
Campus Ipiranga
Av. Nazaré, 1501 - Ipiranga
São Paulo - SP
Campus Pompeia
R. Raul Pompeia, 144 - Vila Pompeia
São Paulo - SP