Diante da pandemia da COVID-19, que já está instalada no Brasil, as pessoas vivem uma crise com características nunca experimentadas antes, o que pode dificultar a busca por referências e recursos positivos para o enfrentamento do cenário atual. A sociedade que trabalhava e se organizava por meio da lógica da produtividade, hoje se depara com uma grande paralisação. Segundo a professora de Psicologia do Centro Universitário São Camilo, Lydiane R. F. Streapco, mesmo com as constantes atualizações diárias sobre os casos da COVID-19 no mundo, ao chegar no Brasil todos foram pegos de surpresa em um período menor de tempo do que em outros países “De um dia para o outro fomos orientados a mudar a rotina, os hábitos e o modo como trabalhamos, estudamos e nos comportamos com as pessoas”.

As recomendações do Ministério da Saúde e da Organização Mundial da Saúde são para que não cheguemos em uma situação igual à da Itália, que hoje é o epicentro da pandemia. Precisamos compreender que se trata de uma medida estudada e adequada, preventiva e altruísta, em busca da segurança de cada indivíduo, de seus entes queridos e da comunidade mais ampla como, neste caso, os idosos.

Devido ao fácil acesso às redes sociais e à internet, é preciso que tenhamos atenção redobrada com o excesso de informações, o sensacionalismo e as fake news: “Como esse bombardeio de informações, temores e apreensões podem se intensificar, nesse momento cada indivíduo deve estimular a reflexão e a análise crítica e pesquisar informações em fontes confiáveis, para assim protagonizar boas práticas, como o autocuidado emocional. O ideal é buscar informações no máximo duas vezes ao dia. Evitar assistir a vários telejornais, aos vídeos da internet e às opiniões que se espalham pelos APP”, destaca Lydiane.

A professora ainda fala que, em termos emocionais, situações de crise como esta podem desafiar o indivíduo a desenvolver melhor monitoramento de sentimentos, dos desejos e dos temores. O período é atípico, portanto,  será de grande valia compreender os fenômenos de modo mais amplo e enxergar vários aspectos da situação, a fim de tomar as melhores decisões possíveis. “Acreditar apenas em aspectos ruins e ressaltar somente as dificuldades pode ocasionar uma inflação do estado de pessimismo, que não é nada bom para o indivíduo. Temos que aprender a reconhecer as diversas potencialidades de cada situação que vivemos para assim desenvolver as multiplicidades de experiências, como a fé, a solidariedade, a mudança de perspectiva e a valorização da vida. Estamos em um tempo de novos aprendizados”.

O estresse também é um estado da natureza humana que, em certa medida, é valioso para que o indivíduo identifique uma situação de perigo, sendo um mecanismo de resposta fundamental para a proteção e a preservação da vida. No entanto, quando prolongado, pode causar importantes complicações fisiológicas e psicológicas, segundo a professora. “A pessoa em situações de estresse deveriam se beneficiar ao reconhecer condições e fatores estressores. O ideal é expressar o que sente, buscar uma rede de apoio efetiva, grupos apoiadores e rever aspectos de sua vida. Neste momento, por exemplo, será de grande valia se dedicar a práticas que preencham a rotina de modo saudável.”

Com relação à quarentena, um estudo de revisão publicado em fevereiro deste ano, na Lancet, observou que em situações semelhantes ocorriam alguns sintomas psicológicos peculiares, dependendo do modo como as pessoas lidavam com o isolamento social. Sentimentos como frustração, raiva e confusão mental podem acontecer. Os principais fatores estressantes identificados foram o período longo da quarentena, o medo da infecção, frustração, tédio, falta de suprimentos adequados, informações inadequadas e perdas financeiras.  No entanto, o estado emocional das pessoas melhorou ao receber informações adequadas, apoio do governo para obter assistência e suprimentos, e acreditar que o empenho de todos salvará vidas. “Reconhecemos que hoje, praticamente o mundo inteiro está sofrendo cheio de questionamentos e dúvidas. Precisamos ser otimistas para que também possamos manter um estado afetivo mais saudável, minimizando no futuro, o risco de sintomas mais graves como o estresse pós-traumático, que é tão ruim e prejudicial à saúde quanto o atual momento de medo”, fala a professora.

Nas redes sociais, profissionais de diversas áreas têm oferecido materiais gratuitos para criar sentidos subjetivos em nossa rotina com conteúdos interessantes e criativos, que podem nos auxiliar a socializar (mesmo de maneira remota), além de garantir novos aprendizados. Para as crianças há jogos, contação de histórias, arteterapia. Para adultos é possível encontrar publicações de professores de musculação, yoga, meditação, artesanato e até videoaulas gratuitas. Instituições de ensino têm aberto cursos online para acesso gratuito. “Ainda que tenhamos que reconhecer os impactos psicossociais negativos desta situação, também devemos investir nosso afeto e racionalidade para preencher o tempo, ampliando nossa capacidade de percepção para além do sentimento de dúvidas, incertezas, medos e cansaço. É um momento de esforço consciente em busca de agregar novos conhecimentos sobre si mesmo e sobre o mundo”, finaliza.

Fique atento!

Alguns sintomas psicológicos comuns do estresse prolongado são: irritabilidade, instabilidade emocional, alterações de memória e atenção, ansiedade, tristeza, esgotamento e diminuição da vontade de realizar tarefas e rotinas prazerosas. “É importante que o indivíduo reconheça se os sintomas têm se manifestado, além de entender quando acontecem, melhoram e pioram. Por isso é tão importante estabelecer uma rotina para dormir e se alimentar bem, para a realização de atividades importantes como trabalho, estudo, autocuidados e cuidados com a casa. O equilíbrio é a chave de tudo, para a saúde e o bem-estar do indivíduo. É necessário que ele distribua o tempo também com a prática de atividade física e se apegue em hobbies que podem ser realizados nesse momento de isolamento”, afirma a professora.

É hora de cuidar de si mesmo, levar a sério a saúde mental, apoiar a todos, principalmente os idosos e crianças, além de claro, valorizar os profissionais da Saúde que estão na nossa linha de frente atuando de uma forma exemplar.

 

Tenho
interesse!

Entre em contato

0300 017 8585 ou 11 3465-2664
Campus Ipiranga
Av. Nazaré, 1501 - Ipiranga
São Paulo - SP
Campus Pompeia
R. Raul Pompeia, 144 - Vila Pompeia
São Paulo - SP